Facetas com desgaste: como avaliar se foi consequência de bruxismo?
Eduardo Miyashita mostra como é possível avaliar se o desgaste foi consequência de bruxismo.

Facetas com desgaste: como avaliar se foi consequência de bruxismo?

Compartilhar

Na coluna ‘Pergunte ao especialista’, Eduardo Eduardo Miyashita esclarece dúvida sobre faceta com desgastes.

“Tenho observado casos de facetas com desgaste dentário ou trincas em restaurações cerâmicas, mas não vejo o toque dentário nos movimentos excursivos mandibular com o uso de papel carbono fino. Como eu poderia avaliar se foi consequência de bruxismo?”.

Pergunta enviada por Andrea Andreucci, de Socorro (SP).

Eduardo Miyashita – Os movimentos de rangimento dentário durante o bruxismo do sono ainda não são completamente compreendidos. Os conceitos de Oclusão, como guia de desoclusão canino, função em grupo, oclusão balanceada, dentre outros, há muito tempo são defendidos em Odontologia. Entretanto, foram observações com base em análise clínica intraoral ou em modelos montados em articulador.

As cargas biomecânicas geradas durante o bruxismo do sono podem participar na abrasão dentária, abfração, hipersensibilidade dentária, sobrecarga periodontal, fadiga muscular e trincas e fraturas de dentes e restaurações.

Geralmente, o diagnóstico clínico é baseado no relato de ranger de dentes ocorrido durante o sono associado à dor ou à tensão nos músculos da face ao acordar, ao desgaste anormal dos dentes e à hipertrofia do masseter. No entanto, a confiabilidade desses achados é duvidosa.

Um auxílio no diagnóstico é o uso do BruxChecker, que consiste em uma fina lâmina de 0,1 mm prensada a vácuo que fornece quase nenhuma interferência à oclusão ou ao movimento mandibular e não induz à atividade muscular mastigatória desnecessária.

Os pacientes são instruídos a usar o dispositivo imediatamente antes de ir para a cama e removê-lo ao acordar pela manhã, durante dois dias consecutivos.

Os contatos reais dos dentes durante o bruxismo do sono são visualizados com base no padrão de rangimento observado, conscientizando o paciente em relação ao problema e auxiliando no planejamento do tratamento reabilitador.

Coordenação:

Eduardo Miyashita
Eduardo Miyashita

Professor titular do Depto. de Odontologia, disciplina de Prótese Dental – Unip/SP; Doutor em Odontologia Restauradora – Unesp/SJC.
Orcid: 0000-0002-1098-714X.