Ganhando tempo (e dinheiro) na desinclusão
David Morita disponibiliza sequência de trabalho que desenvolveu, além de algumas dicas valiosas.

Ganhando tempo (e dinheiro) na desinclusão

Compartilhar

Quanto tempo você gasta para desincluir um anel de 200 g de revestimento após o devido resfriamento? David Morita dá dicas importantes para acelerar o processo.

Existe uma diferença importante entre “ser eficiente” e “ser eficaz”, mas nem todos percebem. Eu gosto de dizer que “eficiência” significa “fazer certo as coisas”, enquanto “eficaz” diz respeito a “fazer as coisas certas”. Se ficou confuso, eu explico melhor: um indivíduo que constrói um poço com perfeição é eficiente. Um indivíduo que sabe onde deve cavar o poço para encontrar mais água é eficaz.

Essa breve reflexão sobre os significados das palavras tem tudo a ver com o tema que escolhi para esta edição. A técnica que vou demonstrar pode ajudar muitos TPDs e auxiliares de laboratório na desinclusão de peças injetadas em cerâmica, de forma muito mais rápida. O objetivo é realizar essa tarefa de forma mais eficiente e também mais eficaz.

Muitos já sabem, mas vale lembrar que eu vim de um laboratório familiar. Lá, eu era o mais novo entre os irmãos e também entre os demais colaboradores, que dividiam suas tarefas comigo. E, como sabem, sempre sobra para o caçula as tarefas mais chatas. Por isso, a desinclusão é uma tarefa a ser citada. Sempre que eu pretendia assumir novas tarefas no laboratório, tinha que superar todos os valores alcançados anteriormente por outros técnicos. Talvez por esta razão, tive de aprender a ser não só eficiente, mas também eficaz para poder realizar outras tarefas dentro do laboratório.

Como tudo que é simples também pode se tornar complicado, estou disponibilizando a sequência de trabalho que desenvolvi e também algumas dicas valiosas para que todos possam alcançar os mesmos resultados no dia a dia.

Quanto tempo você gasta para desincluir um anel de 200 g de revestimento após o devido resfriamento? Posso afirmar que, se você seguir este roteiro, poderá alcançar a marca de aproximadamente cinco minutos para remover todo o revestimento das peças. Como posso afirmar isso? Porque cheguei lá!

DICA 1: use o material certo

Inicie a desinclusão com a pressão de 4 bar e use apenas microesfera de vidro. A microesfera é um material de formato arredondado e não possui arestas em seu contorno. Por isso, não prejudica a superfície das peças de cerâmica. A microesfera é produzida por atomização, diferentemente do óxido de alumínio, que é produzido por moagem, que resulta na formação de arestas em suas partículas. Essas arestas podem gerar microrranhuras na superfície das peças, levando-as ao fracasso por causa de trincas nas estruturas durante o processo de aplicação de cerâmica ou até mesmo maquiagem.

DICA 2: preserve os materiais

Outro passo importante é a remoção de partes do revestimento usando discos diamantados para separar os troquéis. Cuidado! Se o disco tocar em uma das peças ou no êmbolo de injeção, causará prejuízo ao laboratório. Além disso, devemos considerar o desgaste do disco. Ele tem grande durabilidade no recorte do gesso, mas degrada precocemente quando aplicado no revestimento fosfatado que usamos para incluir as peças.

DICA 3: tempo também é dinheiro

Um bom equipamento é essencial para a desinclusão, e o reuso de alguns materiais, como microesfera de vidro e óxido de alumínio, nunca deve ser feito. Pense bem e lembre-se que tempo também é dinheiro. O tempo que um colaborador gasta para reciclar o material pode ser até maior do que uma desinclusão. Faça as contas: quanto custa o material que você pretende reciclar? Quanto valem as peças que estão dentro de um anel de revestimento? É sempre preferível que um colaborador entregue as peças no menor tempo possível. A produção do laboratório aumenta, assim como o faturamento.

David Morita
David Morita
Técnico em prótese dentária – Senac; Proprietário do Laboratório e Instituto de Treinamento David Morita; Segundo secretário da Assembleia Administrativa da SBO Digital.