A efetividade do fluxo digital na clínica diária
Modelo impresso com os guias de silicone prontos para posterior mock-up e para referência dos preparos a serem realizados.

A efetividade do fluxo digital na clínica diária

Compartilhar

Caso clínico ilustra uma sequência de um tratamento de facetas laminadas feitas através de um fluxo digital.

Nos últimos anos, a Odontologia e a Prótese Dentária passaram por uma grande revolução tecnológica, com a introdução de scanners intraorais, softwares de desenhos e máquinas de fresagem.

De certa maneira, o uso desses equipamentos e softwares tornam a clínica diária do cirurgião-dentista mais confortável, precisa e adaptada ao mundo digital atual. Há 20 anos, cirurgiões-dentistas e técnicos em prótese dentária dificilmente acreditariam ser possível realizar a construção de restaurações cerâmicas de forma totalmente digital. Hoje, com o avanço da tecnologia e dos materiais restauradores, conseguimos realizar qualquer tipo de restauração estética com a utilização de fresadoras, impressoras e a captura de imagens através dos scanners intraorais.

Em particular, a captura de imagens através desses aparelhos (scanner intraoral) vem substituindo a moldagem convencional gradativamente nos consultórios odontológicos, pois seu uso implica em algumas vantagens ao cirurgião-dentista, tais como: são mais confortáveis e mais cômodas aos pacientes, e por vezes mais fáceis de serem feitas pelo cirurgião-dentista, nivelando o trabalho que será entregue ao técnico em prótese dentária1.

Vários estudos na literatura evidenciam que os scanners intraorais são ferramentas confiáveis na captura de impressões digitais para elementos unitários e múltiplos em pacientes dentados2-4. Porém, mesmo com o avanço de novas tecnologias e sua utilização pelo cirurgião-dentista, há de salientar que os métodos convencionais de confecção de prótese dentária ainda têm seu espaço e, de certa forma, não deixarão de existir na Odontologia. Não é uma questão de luta entre analógico e digital, como se fossem dois lados de uma moeda. Essa transição será natural e gradual, tanto para cirurgiões-dentistas quanto para técnicos em prótese dentária.

Todavia, o mundo digital dentro da Odontologia é um caminho sem volta. A tecnologia presente no dia a dia do ser humano vai ser cada vez mais aplicada dentro da Odontologia. Digitalizar um preparo, desenhar um dente e fresar uma cerâmica já não é o futuro, mas sim o presente. O que nos resta é imaginar quais serão os próximos passos a serem seguidos e aguardar o dia em que poderemos construir dentes cada vez mais próximos das estruturas naturais.

Assim, em face aos comentários anteriores e a fim de ilustrar uma sequência de um tratamento de facetas laminadas feitas através de um fluxo digital, apresentamos o seguinte caso clínico dos dentes 14-24.

Referências

  1. Mangano et al. Trueness and precision of 5 intraoral scanners in the impressions of single and multiple implants: a comparative in vitro study. BMC Oral Health 2019;19(1): 2-14.
  2. Tsirogiannis P, Reissmann DR, Heydecke G. Evaluation of the marginal fit of single-unit, complete-coverage ceramic restorations fabricated after digital and conventional impressions: a systematic review and meta-analysis. J Prosthet Dent 2016;116(3):328-35.
  3. Ender A, Attin T, Mehl A. In vivo precision of conventional and digital methods of obtaining complete-arch dental impressions. J Prosthet Dent 2016;115(3):313-20.
  4. Almeida e Silva JS, Erdelt K, Edelhoff D, Araújo E, Stimmelmayr M, Vieira LC et al. Marginal and internal fi t of four-unit zirconia fixed dental prostheses based on digital and conventional impression techniques. Clin Oral Investig 2014;18(2):515-23.

Coordenação:

Guilherme SaavedraGuilherme Saavedra
Professor assistente do Depto. de Materiais Odontológicos e Prótese, e professor da especialidade de Prótese Dentária do programa de pós-graduação em Odontologia Restauradora – ICT-Unesp; Professor visitante da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa, em Portugal.
Orcid: 0000-0001-7108-0544.

Autores convidados:

CCarlos Marcelo Archangelo
Carlos Marcelo Archangelo
Professor nível IV-2 do curso Técnico em Prótese Dentária – Instituto Federal do Paraná; Doutor em Prótese Dentária – Unesp Araçatuba.

 

José Carlos Romanini
José Carlos Romanini
Técnico em Prótese Dentária – Escola de Prótese Dentária de Ribeirão Preto; Diretor do Laboratório de Prótese Dentária Romanini.

 

Diogo Viegas
Diogo Viegas

Professor assistente convidado de Prótese fixa e Reabilitação Oral; Doutorando em Ciências da Reabilitação Oral e Técnico em Prótese Dentária – Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa.

João Tiago Mourão
João Tiago Mourão
Professor agregado da Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa.